5 de agosto de 2015

Considerações sobre a venda do jogador Gérson

Esperançosos Tricolores,

Com a confirmação da negociação do meia Gérson para a Roma, aparentemente por 16 milhões de euros, já confirmada pelo próprio Presidente do clube, resta-nos fazer algumas indagações e ponderações, já que a transação foi bastante nebulosa desde o seu início.

Diferentemente do aventado pela imprensa e a maior parte da torcida, o valor pago à título de prioridade pelo Barcelona (e que também englobaria o direito de exercício sobre os atletas Marlon e Kenedy) foi apenas um adiantamento, com ressarcimento em caso de venda para outra agremiação ou abatimento na hipótese de transação com o próprio clube catalão.

Cabe salientar que em negociações com cláusulas similares pelo mundo afora, tal ressarcimento é bastante incomum, o que já de imediato denota pouca capacidade de barganha pela nossa direção. E pelos últimos informes, causa ainda mais aflição a notícia de que tal adiantamento não contou com nenhum mecanismo de swap cambial, opção natural que protege as partes envolvidas quanto a potenciais riscos cambiais. Como é notório, o real vem em agravada curva de depreciação, algo que qualquer estudante de economia do segundo período já domina com tranquilidade.

Mas não vamos nos ater somente ao viés financeiro. Mesmo com todo o decantado enfoque de prioridade não-reembolsável ecoado por mídias, sócios e torcedores, em momento algum nossa direção fez questão de desmentir, evidentemente por se tratar de uma tese benéfica, ainda que fantasiosa e inverídica.

Nosso VP de Futebol (sabidamente hábil com as palavras, o que é fundamental pois advoga em prol do clube) sempre se apressa em vir à público elucidar pontos desabonadores à atual gestão. Neste ponto específico não foi emitida sequer alguma das famosas notas verborrágicas, objetivando que se soubesse desde o início as condições do valor adiantado. Pode ter sido esquecimento, assim como a notícia de que o clube recusou 20 milhões de Euros pelo próprio Gérson.

Trazer sócios requer transparência, credibilidade e zelo com os torcedores. Infelizmente não contrataremos um Ronaldinho Gaúcho por mês e o Esperança Tricolor estará atento, cobrando dos atuais gestores o que se espera de alguém a frente de um clube glorioso, vencedor e acima de tudo ético como o Fluminense Football Club.


Danilo Jeolás
Sócio-Contribuinte e Membro do Esperança Tricolor

Um comentário:

Julio Cezar Carvalho disse...

Mesmo com ressarcimento com dólar atualizado o Flu fez um excelente negócio, o Gerson, na minha humilde opinião, não é nem a melhor das nossas promessas. É a primeira vez que eu vejo um clube do Rio passando a perna nos europeus, coisa que os gaúchos, paulistas e mineiros já fazem há muito tempo. Quem intermediou esta venda está de parabéns. Saudações Tricolores!

Postar um comentário